"GESTÃO ESTRATÉGICA DE CARREIRA PROFISSIONAL"
"PALESTRAS DE ALTA PERFORMANCE"
"ADMINISTRAÇÃO DO PORTIFÓLIO DE CLIENTES"
"SAIBA PLANEJAR PARA CRESCER"
"ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA"
"MOTIVOS + AÇÃO = MOTIVAÇÃO"
"EMPREENDEDORISMO"
"VISÃO MULTIDISCIPLINAR"
"ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO"
"ESTRATÉGIAS DE NEGOCIAÇÃO"
"MARKETING ESPORTIVO"
"ORIENTAÇÕES PARA MARKETING DE MULTINÍVEL"
"LIDERANÇA PARA FAZER ACONTECER"
"GESTÃO ESTRATÉGICA DO CAPITAL HUMANO"
"CONSULTORIA EMPRESARIAL"
"ASSOCIATIVISMO"
"GESTÃO DO VAREJO"
"TÉCNICAS DE LIDERANÇA QUE INSPIRAM SEGUIDORES"
"WORKSHOP PARA LIDERANÇA"
"TREINAMENTOS IN COMPANY"
"GESTÃO DO CONHECIMENTO"
"VAREJO SUSTENTÁVEL"
"COMUNICAÇÃO & RELACIONAMENTO"
"PALESTRAS ACADÊMICAS"
"ECONOMIA & MERCADO"
"CENÁRIOS E COMPETITIVIDADE"
"ESTRATÉGIA DE CLIENTES"
"FAZER FORTUNA COM VENDAS DIRETAS"
"CONSULTORIA JURÍDICA"
"CIRCUITO BRASILEIRO DE MARKETING & VENDAS"
"TÉCNICAS PARA RECRUTAMENTO & SELEÇÃO"
"GESTÃO DAS RELAÇÕES & COMPORTAMENTO HUMANO"
"CONSULTORIA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO"
Prof. José Luiz Mazolini. O Brasil Inteiro Conhece!
"COMO ATRAIR PATROCÍNIOS PARA ATLETAS E CLUBES"
"COMO PREPARAR LOJA E EQUIPE PARA VENDER MAIS"
"FORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA JOVENS"
"RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTEL"
"EDUCAÇÃO CORPORATIVA"
"ESTRATÉGIAS DE MARKETING PARA O VAREJO"
"GESTÃO FINANCEIRA PARA COLÉGIOS PARTICULARES"

De: 24/08/2016 16:28:01Questão fiscal é essência da incerteza no Brasil, diz ministro da Fazenda.

Questão fiscal é essência da incerteza no Brasil, diz ministro da Fazenda.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, enfatizou hoje (24) que a “essência da incerteza no Brasil é a questão fiscal”. Segundo ele, é importante adotar, agora, medidas para iniciar a estabilização da trajetória da dívida e permitir que a sociedade volte a ter confiança.

Durante audiência pública na Câmara dos Deputados, Meirelles destacou que a economia já dá sinais de retomada e mostra uma tendência [de melhora]. Ele também aproveitou a audiência, que discute a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional que estabelece um teto para o crescimento das despesas públicas, para fazer defender a PEC.

“O país acredita que as medidas para a solução fiscal estão sendo previstas na PEC. Acreditamos que a PEC seja aprovada. E possamos seguir”, disse Meirelles. O ministro citou as famílias para mostrar que quando se gasta mais do que se ganha, não adianta ficar reclamando do custo [do financiamento], mas o mais importante é controlar as despesas para ajustar as contas.

A audiência

A audiência é na Comissão Especial sobre Novo Regime Fiscal na Câmara dos Deputados e, durante o seu pronunciamento, Meirelles apresentou dados que mostram que o Brasil está em uma crise econômica sem precedentes. Segundo ele, para solucionar o problema e voltar a crescer é preciso colocar em prática políticas sociais e econômicas que permitam recuperar emprego e renda.

"Sem crescimento econômico, a pobreza e a desigualdade vão aumentar e as pessoas não vão melhorar de vida de forma definitiva e não vão passar para um patamar de bem-estar mais alto. O Brasil não será um país desenvolvido e justo", disse Meirelles.

Dívida

Ele destacou aos parlamentares, entre outras coisas, que para sair da crise é necessário criar condições para a retomada do investimento, como a governança de estatais, fundos de pensão e bancos públicos, fortalecimento das agências reguladoras, concessões na área de infraestrutura, recuperação da confiança na estabilidade da dívida pública e redução sustentada da taxa de juros de equilíbrio da economia.

Para o ministro, faz parte da estratégia para ajustar as contas recobrar o equilíbrio fiscal com visão de longo prazo, criar regras que contenham a pressão por expansão do gasto além da capacidade de pagamento do governo.

O ministro lembrou que a Dívida Líquida do Setor Público vem crescendo fortemente e passou de 33,1% do Produto Interno Bruto (PIB) – soma de todas as riquezas do país –, em 2014, para 42% em junho de 2016. Para ele, o crescimento decorre não apenas do crescimento da dívida bruta, mas também do alto custo da dívida líquida, que passou de 19% ao ano. Em 2014, para 24% ao ano, em 2016.

Na apresentação

Na apresentação que fez, Henrique Meirelles mostrou que a dívida líquida é calculada deduzindo-se da dívida bruta os créditos do governo, principalmente as reservas internacionais e os créditos junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Como esses créditos têm remuneração menor que as taxas de mercado, o governo acaba pagando pelos seus débitos um custo maior do que recebe pelos seus créditos. O resultado é uma taxa final para a dívida líquida muito elevada.

A experiência internacional, segundo apresentou, mostra que um ajuste das contas públicas bem sucedido e com impacto positivo sobre o crescimento de longo prazo é aquele que dá ênfase à contenção de despesas, tem longa duração e com enfoque de longo prazo, em vez de medidas pontuais de ajuste, passíveis de reversão.

O ministro voltou a defender que, para a educação e a saúde, a PEC só altera a fórmula de cálculo do limite mínimo de gastos e não obriga qualquer redução de gastos.

CORREIOCAPIXABA.COM

Parceiros Abaixo
CESCONETO ATACADOUNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ - UNOPARColégio Americano DoctumCORREIO CAPIXABAFaculdade UCLFaculdade Estácio de SáRede Doctum de EnsinoPortalflexAsociação dos Empresários de Serra -ESAssociação Comercial de Vitória

Assine nossa Newsletter Cadastre-se para receber informativos




E-mail:contato@mazoliniconsultoria.com.br - Tel.:(27) 3328.5969 - Cel.: (27) 9991.5729

©2020 Agência Kairós