"GESTÃO ESTRATÉGICA DO CAPITAL HUMANO"
"GESTÃO FINANCEIRA PARA COLÉGIOS PARTICULARES"
"COMO PREPARAR LOJA E EQUIPE PARA VENDER MAIS"
"CIRCUITO BRASILEIRO DE MARKETING & VENDAS"
"PALESTRAS ACADÊMICAS"
"GESTÃO DO CONHECIMENTO"
Prof. José Luiz Mazolini. O Brasil Inteiro Conhece!
"COMUNICAÇÃO & RELACIONAMENTO"
"ADMINISTRAÇÃO DO PORTIFÓLIO DE CLIENTES"
"LIDERANÇA PARA FAZER ACONTECER"
"PALESTRAS DE ALTA PERFORMANCE"
"ECONOMIA & MERCADO"
"TREINAMENTOS IN COMPANY"
"TÉCNICAS DE LIDERANÇA QUE INSPIRAM SEGUIDORES"
"ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA"
"CONSULTORIA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO"
"ESTRATÉGIAS DE MARKETING PARA O VAREJO"
"RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTEL"
"ASSOCIATIVISMO"
"CONSULTORIA EMPRESARIAL"
"EMPREENDEDORISMO"
"CENÁRIOS E COMPETITIVIDADE"
"MARKETING ESPORTIVO"
"FAZER FORTUNA COM VENDAS DIRETAS"
"GESTÃO DO VAREJO"
"SAIBA PLANEJAR PARA CRESCER"
"ORIENTAÇÕES PARA MARKETING DE MULTINÍVEL"
"MOTIVOS + AÇÃO = MOTIVAÇÃO"
"TÉCNICAS PARA RECRUTAMENTO & SELEÇÃO"
"CONSULTORIA JURÍDICA"
"VISÃO MULTIDISCIPLINAR"
"WORKSHOP PARA LIDERANÇA"
"ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO"
"ESTRATÉGIAS DE NEGOCIAÇÃO"
"ESTRATÉGIA DE CLIENTES"
"VAREJO SUSTENTÁVEL"
"FORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA JOVENS"
"COMO ATRAIR PATROCÍNIOS PARA ATLETAS E CLUBES"
"GESTÃO DAS RELAÇÕES & COMPORTAMENTO HUMANO"
"GESTÃO ESTRATÉGICA DE CARREIRA PROFISSIONAL"
"EDUCAÇÃO CORPORATIVA"

De: 24/08/2016 16:28:01Questão fiscal é essência da incerteza no Brasil, diz ministro da Fazenda.

Questão fiscal é essência da incerteza no Brasil, diz ministro da Fazenda.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, enfatizou hoje (24) que a “essência da incerteza no Brasil é a questão fiscal”. Segundo ele, é importante adotar, agora, medidas para iniciar a estabilização da trajetória da dívida e permitir que a sociedade volte a ter confiança.

Durante audiência pública na Câmara dos Deputados, Meirelles destacou que a economia já dá sinais de retomada e mostra uma tendência [de melhora]. Ele também aproveitou a audiência, que discute a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional que estabelece um teto para o crescimento das despesas públicas, para fazer defender a PEC.

“O país acredita que as medidas para a solução fiscal estão sendo previstas na PEC. Acreditamos que a PEC seja aprovada. E possamos seguir”, disse Meirelles. O ministro citou as famílias para mostrar que quando se gasta mais do que se ganha, não adianta ficar reclamando do custo [do financiamento], mas o mais importante é controlar as despesas para ajustar as contas.

A audiência

A audiência é na Comissão Especial sobre Novo Regime Fiscal na Câmara dos Deputados e, durante o seu pronunciamento, Meirelles apresentou dados que mostram que o Brasil está em uma crise econômica sem precedentes. Segundo ele, para solucionar o problema e voltar a crescer é preciso colocar em prática políticas sociais e econômicas que permitam recuperar emprego e renda.

"Sem crescimento econômico, a pobreza e a desigualdade vão aumentar e as pessoas não vão melhorar de vida de forma definitiva e não vão passar para um patamar de bem-estar mais alto. O Brasil não será um país desenvolvido e justo", disse Meirelles.

Dívida

Ele destacou aos parlamentares, entre outras coisas, que para sair da crise é necessário criar condições para a retomada do investimento, como a governança de estatais, fundos de pensão e bancos públicos, fortalecimento das agências reguladoras, concessões na área de infraestrutura, recuperação da confiança na estabilidade da dívida pública e redução sustentada da taxa de juros de equilíbrio da economia.

Para o ministro, faz parte da estratégia para ajustar as contas recobrar o equilíbrio fiscal com visão de longo prazo, criar regras que contenham a pressão por expansão do gasto além da capacidade de pagamento do governo.

O ministro lembrou que a Dívida Líquida do Setor Público vem crescendo fortemente e passou de 33,1% do Produto Interno Bruto (PIB) – soma de todas as riquezas do país –, em 2014, para 42% em junho de 2016. Para ele, o crescimento decorre não apenas do crescimento da dívida bruta, mas também do alto custo da dívida líquida, que passou de 19% ao ano. Em 2014, para 24% ao ano, em 2016.

Na apresentação

Na apresentação que fez, Henrique Meirelles mostrou que a dívida líquida é calculada deduzindo-se da dívida bruta os créditos do governo, principalmente as reservas internacionais e os créditos junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Como esses créditos têm remuneração menor que as taxas de mercado, o governo acaba pagando pelos seus débitos um custo maior do que recebe pelos seus créditos. O resultado é uma taxa final para a dívida líquida muito elevada.

A experiência internacional, segundo apresentou, mostra que um ajuste das contas públicas bem sucedido e com impacto positivo sobre o crescimento de longo prazo é aquele que dá ênfase à contenção de despesas, tem longa duração e com enfoque de longo prazo, em vez de medidas pontuais de ajuste, passíveis de reversão.

O ministro voltou a defender que, para a educação e a saúde, a PEC só altera a fórmula de cálculo do limite mínimo de gastos e não obriga qualquer redução de gastos.

CORREIOCAPIXABA.COM

Parceiros Abaixo
Asociação dos Empresários de Serra -ESAssociação Comercial de VitóriaCESCONETO ATACADOCORREIO CAPIXABAPortalflexColégio Americano DoctumRede Doctum de EnsinoFaculdade UCLUNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ - UNOPARFaculdade Estácio de Sá

Assine nossa Newsletter Cadastre-se para receber informativos




E-mail:contato@mazoliniconsultoria.com.br - Tel.:(27) 3328.5969 - Cel.: (27) 9991.5729

©2019 Agência Kairós