"LIDERANÇA PARA FAZER ACONTECER"
"GESTÃO DO CONHECIMENTO"
"ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA"
"GESTÃO DO VAREJO"
"GESTÃO FINANCEIRA PARA COLÉGIOS PARTICULARES"
"CONSULTORIA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO"
"ORIENTAÇÕES PARA MARKETING DE MULTINÍVEL"
"CIRCUITO BRASILEIRO DE MARKETING & VENDAS"
"CONSULTORIA EMPRESARIAL"
"COMO PREPARAR LOJA E EQUIPE PARA VENDER MAIS"
"TÉCNICAS PARA RECRUTAMENTO & SELEÇÃO"
"VISÃO MULTIDISCIPLINAR"
"SAIBA PLANEJAR PARA CRESCER"
"COMUNICAÇÃO & RELACIONAMENTO"
"PALESTRAS ACADÊMICAS"
"PALESTRAS DE ALTA PERFORMANCE"
"CONSULTORIA JURÍDICA"
"FAZER FORTUNA COM VENDAS DIRETAS"
"ESTRATÉGIA DE CLIENTES"
"ESTRATÉGIAS DE MARKETING PARA O VAREJO"
"GESTÃO ESTRATÉGICA DE CARREIRA PROFISSIONAL"
"ESTRATÉGIAS DE NEGOCIAÇÃO"
"FORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA JOVENS"
"TÉCNICAS DE LIDERANÇA QUE INSPIRAM SEGUIDORES"
"GESTÃO ESTRATÉGICA DO CAPITAL HUMANO"
"VAREJO SUSTENTÁVEL"
"EMPREENDEDORISMO"
Prof. José Luiz Mazolini. O Brasil Inteiro Conhece!
"ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO"
"ECONOMIA & MERCADO"
"CENÁRIOS E COMPETITIVIDADE"
"MOTIVOS + AÇÃO = MOTIVAÇÃO"
"ASSOCIATIVISMO"
"RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTEL"
"MARKETING ESPORTIVO"
"GESTÃO DAS RELAÇÕES & COMPORTAMENTO HUMANO"
"EDUCAÇÃO CORPORATIVA"
"COMO ATRAIR PATROCÍNIOS PARA ATLETAS E CLUBES"
"WORKSHOP PARA LIDERANÇA"
"TREINAMENTOS IN COMPANY"
"ADMINISTRAÇÃO DO PORTIFÓLIO DE CLIENTES"

De: 06/03/2013 14:40:51 Mantega nega redução de tributos para compensar aumento do diesel

 Mantega nega redução de tributos para compensar aumento do diesel

Brasília - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, descartou hoje (6) qualquer tipo de compensação para o aumento do diesel que entrou em vigor nesta quarta-feira. Ele respondeu a jornalistas que cobrem as atividades do ministério e queriam saber se haveria redução na cobrança de tributos para compensar reajuste de 5% do combustível nas refinarias. “Não, não vai ter nenhuma compensação”, garantiu Mantega.

A compensação foi usada pelo governo em junho do ano passado para impedir que o aumento na gasolina e no diesel chegasse às bombas. Na ocasião, o governo zerou a alíquota da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) para os dois combustíveis, evitando que o ajuste alimentasse a inflação.

Antes da manifestação de Mantega, o presidente da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), Clésio Andrade, havia criticado o reajuste. Segundo ele, o aumento gera pressão inflacionária, pois 60% das cargas são transportados pelas rodovias do país com veículos movidos a diesel. Ele disse ainda que o impacto no preço do frete deve alcançar 1,25%.

Clésio Andrade foi ao Ministério da Fazenda para reunião de Mantega e representantes de entidades empresariais. Participaram do encontro dirigentes da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Confederação Nacional do Comércio (CNC), Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Confederação Nacional do Transporte (CNT) e Confederação Nacional de Serviços (CNS).

A presidenta da CNA, Kátia Abreu, também presente ao encontro, reclamou de limitações ao direito do contribuinte nas ações em tramitação na Receita Federal que, segundo ela, é quase inexistente nos conselhos de contribuintes. “A grita é geral. Não é nem sobre a carga tributária, mas sobre o direito do contribuinte, que é quase inexistente. O Fisco sempre tem razão”, disse.

Já o presidente da CNT, Clésio Andrade, falou sobre a dificuldade de o país atrair investimentos estrangeiros e nacionais para portos, rodovias e aeroportos. Ele criticou as propostas do governo para atrair os investimentos, apresentadas a empresários em São Paulo, no início de fevereiro, e depois a investidores estrangeiros, em viagem de Guido Mantega a Nova York.

“Às vezes, as empresas terão dificuldades de não seguir esses projetos à frente e o país pode ficar em uma situação pior. Acho que tem que dar uma reavaliada nos projetos. Tem que colocar os projetos na rua, as licitações, para começar a ter investimentos”, destacou.

Andrade também avaliou que as desonerações chegaram ao limite e, mesmo que sejam apresentadas novas reduções de impostos, não será mais a solução. Para o presidente da CNT, essas medidas foram um paliativo para a economia, porque aumentou o consumo e, consequentemente, o emprego, mas argumentou que essa política tem limites.

“Chega uma hora que o governo tem que colocar de volta o valor desses impostos e a situação poderá ficar pior, com impactos na inflação”, lamentou. Andrade defendeu ainda que a melhor maneira para levar o país ao crescimento é o investimento em infraestrutura.

O presidente da CNI, Robson Andrade, projeta até um crescimento da economia acima de 3% . Na avaliação dele, esse crescimento, no entanto, ainda está muito focada na questão do consumo, que, por outro lado, não representa necessariamente investimentos.

“O suprimento desse consumo representa o aumento das importações. É isso que estamos discutindo. Precisamos de medidas mais duras e eficazes de defesa comercial, que já estão gestadas, mas precisam ser implantadas”, defendeu.


Parceiros Abaixo
Asociação dos Empresários de Serra -ESFaculdade UCLAssociação Comercial de VitóriaUNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ - UNOPARCORREIO CAPIXABAFaculdade Estácio de SáCESCONETO ATACADORede Doctum de EnsinoColégio Americano DoctumPortalflex

Assine nossa Newsletter Cadastre-se para receber informativos




E-mail:contato@mazoliniconsultoria.com.br - Tel.:(27) 3328.5969 - Cel.: (27) 9991.5729

©2019 Agência Kairós