"LIDERANÇA PARA FAZER ACONTECER"
"VAREJO SUSTENTÁVEL"
"CONSULTORIA JURÍDICA"
"CENÁRIOS E COMPETITIVIDADE"
"COMO PREPARAR LOJA E EQUIPE PARA VENDER MAIS"
"SAIBA PLANEJAR PARA CRESCER"
"ECONOMIA & MERCADO"
"CIRCUITO BRASILEIRO DE MARKETING & VENDAS"
"WORKSHOP PARA LIDERANÇA"
"ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO"
"EMPREENDEDORISMO"
"PALESTRAS ACADÊMICAS"
"COMO ATRAIR PATROCÍNIOS PARA ATLETAS E CLUBES"
"CONSULTORIA EMPRESARIAL"
"GESTÃO DO VAREJO"
"MOTIVOS + AÇÃO = MOTIVAÇÃO"
"GESTÃO FINANCEIRA PARA COLÉGIOS PARTICULARES"
"ORIENTAÇÕES PARA MARKETING DE MULTINÍVEL"
"ASSOCIATIVISMO"
"VISÃO MULTIDISCIPLINAR"
"GESTÃO ESTRATÉGICA DE CARREIRA PROFISSIONAL"
"ESTRATÉGIA DE CLIENTES"
"GESTÃO ESTRATÉGICA DO CAPITAL HUMANO"
"ESTRATÉGIAS DE MARKETING PARA O VAREJO"
"RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTEL"
"GESTÃO DO CONHECIMENTO"
"ADMINISTRAÇÃO DO PORTIFÓLIO DE CLIENTES"
"MARKETING ESPORTIVO"
"COMUNICAÇÃO & RELACIONAMENTO"
"GESTÃO DAS RELAÇÕES & COMPORTAMENTO HUMANO"
"TÉCNICAS DE LIDERANÇA QUE INSPIRAM SEGUIDORES"
"ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA"
"EDUCAÇÃO CORPORATIVA"
"TREINAMENTOS IN COMPANY"
Prof. José Luiz Mazolini. O Brasil Inteiro Conhece!
"FAZER FORTUNA COM VENDAS DIRETAS"
"ESTRATÉGIAS DE NEGOCIAÇÃO"
"PALESTRAS DE ALTA PERFORMANCE"
"TÉCNICAS PARA RECRUTAMENTO & SELEÇÃO"
"CONSULTORIA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO"
"FORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA JOVENS"

De: 06/03/2013 14:40:51 Mantega nega redução de tributos para compensar aumento do diesel

 Mantega nega redução de tributos para compensar aumento do diesel

Brasília - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, descartou hoje (6) qualquer tipo de compensação para o aumento do diesel que entrou em vigor nesta quarta-feira. Ele respondeu a jornalistas que cobrem as atividades do ministério e queriam saber se haveria redução na cobrança de tributos para compensar reajuste de 5% do combustível nas refinarias. “Não, não vai ter nenhuma compensação”, garantiu Mantega.

A compensação foi usada pelo governo em junho do ano passado para impedir que o aumento na gasolina e no diesel chegasse às bombas. Na ocasião, o governo zerou a alíquota da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) para os dois combustíveis, evitando que o ajuste alimentasse a inflação.

Antes da manifestação de Mantega, o presidente da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), Clésio Andrade, havia criticado o reajuste. Segundo ele, o aumento gera pressão inflacionária, pois 60% das cargas são transportados pelas rodovias do país com veículos movidos a diesel. Ele disse ainda que o impacto no preço do frete deve alcançar 1,25%.

Clésio Andrade foi ao Ministério da Fazenda para reunião de Mantega e representantes de entidades empresariais. Participaram do encontro dirigentes da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Confederação Nacional do Comércio (CNC), Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Confederação Nacional do Transporte (CNT) e Confederação Nacional de Serviços (CNS).

A presidenta da CNA, Kátia Abreu, também presente ao encontro, reclamou de limitações ao direito do contribuinte nas ações em tramitação na Receita Federal que, segundo ela, é quase inexistente nos conselhos de contribuintes. “A grita é geral. Não é nem sobre a carga tributária, mas sobre o direito do contribuinte, que é quase inexistente. O Fisco sempre tem razão”, disse.

Já o presidente da CNT, Clésio Andrade, falou sobre a dificuldade de o país atrair investimentos estrangeiros e nacionais para portos, rodovias e aeroportos. Ele criticou as propostas do governo para atrair os investimentos, apresentadas a empresários em São Paulo, no início de fevereiro, e depois a investidores estrangeiros, em viagem de Guido Mantega a Nova York.

“Às vezes, as empresas terão dificuldades de não seguir esses projetos à frente e o país pode ficar em uma situação pior. Acho que tem que dar uma reavaliada nos projetos. Tem que colocar os projetos na rua, as licitações, para começar a ter investimentos”, destacou.

Andrade também avaliou que as desonerações chegaram ao limite e, mesmo que sejam apresentadas novas reduções de impostos, não será mais a solução. Para o presidente da CNT, essas medidas foram um paliativo para a economia, porque aumentou o consumo e, consequentemente, o emprego, mas argumentou que essa política tem limites.

“Chega uma hora que o governo tem que colocar de volta o valor desses impostos e a situação poderá ficar pior, com impactos na inflação”, lamentou. Andrade defendeu ainda que a melhor maneira para levar o país ao crescimento é o investimento em infraestrutura.

O presidente da CNI, Robson Andrade, projeta até um crescimento da economia acima de 3% . Na avaliação dele, esse crescimento, no entanto, ainda está muito focada na questão do consumo, que, por outro lado, não representa necessariamente investimentos.

“O suprimento desse consumo representa o aumento das importações. É isso que estamos discutindo. Precisamos de medidas mais duras e eficazes de defesa comercial, que já estão gestadas, mas precisam ser implantadas”, defendeu.


Parceiros Abaixo
Asociação dos Empresários de Serra -ESCESCONETO ATACADOPortalflexFaculdade UCLAssociação Comercial de VitóriaRede Doctum de EnsinoFaculdade Estácio de SáUNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ - UNOPARCORREIO CAPIXABAColégio Americano Doctum

Assine nossa Newsletter Cadastre-se para receber informativos




E-mail:contato@mazoliniconsultoria.com.br - Tel.:(27) 3328.5969 - Cel.: (27) 9991.5729

©2020 Agência Kairós