"GESTÃO ESTRATÉGICA DE CARREIRA PROFISSIONAL"
"SAIBA PLANEJAR PARA CRESCER"
"EMPREENDEDORISMO"
"PALESTRAS ACADÊMICAS"
"EDUCAÇÃO CORPORATIVA"
"CONSULTORIA JURÍDICA"
"ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO"
"ESTRATÉGIA DE CLIENTES"
"RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTEL"
"FORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA JOVENS"
"WORKSHOP PARA LIDERANÇA"
"TÉCNICAS DE LIDERANÇA QUE INSPIRAM SEGUIDORES"
"TÉCNICAS PARA RECRUTAMENTO & SELEÇÃO"
"MOTIVOS + AÇÃO = MOTIVAÇÃO"
"ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA"
"ESTRATÉGIAS DE NEGOCIAÇÃO"
"ORIENTAÇÕES PARA MARKETING DE MULTINÍVEL"
"GESTÃO ESTRATÉGICA DO CAPITAL HUMANO"
"CONSULTORIA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO"
"CONSULTORIA EMPRESARIAL"
"COMO ATRAIR PATROCÍNIOS PARA ATLETAS E CLUBES"
"GESTÃO DAS RELAÇÕES & COMPORTAMENTO HUMANO"
"ASSOCIATIVISMO"
"FAZER FORTUNA COM VENDAS DIRETAS"
"TREINAMENTOS IN COMPANY"
"CIRCUITO BRASILEIRO DE MARKETING & VENDAS"
"GESTÃO DO VAREJO"
"VISÃO MULTIDISCIPLINAR"
"ADMINISTRAÇÃO DO PORTIFÓLIO DE CLIENTES"
"GESTÃO DO CONHECIMENTO"
"MARKETING ESPORTIVO"
"COMO PREPARAR LOJA E EQUIPE PARA VENDER MAIS"
Prof. José Luiz Mazolini. O Brasil Inteiro Conhece!
"PALESTRAS DE ALTA PERFORMANCE"
"VAREJO SUSTENTÁVEL"
"LIDERANÇA PARA FAZER ACONTECER"
"COMUNICAÇÃO & RELACIONAMENTO"
"CENÁRIOS E COMPETITIVIDADE"
"ESTRATÉGIAS DE MARKETING PARA O VAREJO"
"ECONOMIA & MERCADO"
"GESTÃO FINANCEIRA PARA COLÉGIOS PARTICULARES"

De: 19/09/2013 14:54:44Emergentes comemoram manutenção dos estímulos nos EUA

Emergentes comemoram manutenção dos estímulos nos EUA

Principais afetados pela volatilidade provocada com a expectativa de mudanças na economia americana, os emergentes comemoraram a decisão do Fed (banco central dos EUA) de manter inalterado o programa de estímulos adotado em resposta à crise de 2008.

Países como Brasil, Índia e Turquia enfrentaram nos últimos meses uma fuga de capitais e a consequente desvalorização de suas moedas. O movimento se tornou uma ameaça ao equilíbrio das contas públicas nessas economias e provocou debates mundiais sobre o tema.

Investidores estrangeiros tiraram dinheiro dos mercados emergentes em antecipação a uma possível alta dos juros nos EUA diante da retomada da economia. A decisão de iniciar a retirada dos estímulos confirmaria a percepção de aquecimento.

O BC americano, contudo, surpreendeu o mercado ao anunciar ontem a manutenção do programa de compras mensais de US$ 85 bilhões em títulos públicos, usado como incentivo. As autoridades avaliaram ser necessário mais elementos que asseguram uma trajetória sustentável de recuperação.

Representantes do Ministério de Finanças da Índia afirmaram que a decisão pode garantir um aumento de 0,5 ponto percentual no crescimento da economia no curto prazo. "Foi uma grande surpresa, uma decisão muito positiva", afirmou o conselheiro econômico da pasta, Dipak Daspgupta.

Na China, a agência estatal oficial Xinhua considerou a manutenção dos estímulos uma escolha prudente do Fed.

"A esperança dos mercados emergentes é que os EUA e outras economias avançadas possam melhorar a coordenação e comunicação com o resto do mundo sobre o momento e as medidas da chamada redução, para que os mercados possam ter expectativas razoáveis", disse a agência.

O Ministro das Finanças da Turquia, Mehmet Simsek, vê um alívio temporário com a decisão, mas lembra que é preciso preparação para a redução do estímulos no futuro. "A decisão do Fed vai provocar um alívio temporário, mas a política atual não vai durar para sempre", diz.

No Brasil, o ministro Guido Mantega (Fazenda) previu uma calmaria no mercado de câmbio.

"A tendência é que haja uma calmaria neste mercado, o que vai beneficiar a realização dos negócios", disse Mantega. "Estamos caminhando para uma tranquilidade maior na área cambial".

MERCADOS

Como estavam fechados após o anúncio do Fed, os mercados de ações da Ásia e da Europa só repercutiram a medida do Fed hoje, com avanço. Já as Bolsas americanas, que subiram ontem depois da decisão, oscilam perto da estabilidade neste início de tarde.

Aqui, o principal índice da Bolsa brasileira, o Ibovespa caía 0,5% às 12h07, a 55.421 pontos. O índice passa por um ajuste à forte alta de 2,6% registrada ontem depois da reunião do BC americano.

No câmbio, o dólar se desvaloriza em relação à principais moedas globais, principalmente as de países emergentes.

A expectativa é que a manutenção do estímulo nos EUA freie, por ora, a saída de dólares dessas economias e, com a maior oferta, tende a ser menor a cotação da moeda americana.

Às 12h12, o dólar à vista, referência no mercado financeiro, caía 1,33% em relação ao real, cotado em R$ 2,209 na venda. No mesmo horário, o dólar comercial, usado no comércio exterior, subia 0,72%, a R$ 2,210.

Parceiros Abaixo
Rede Doctum de EnsinoUNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ - UNOPARFaculdade UCLColégio Americano DoctumAssociação Comercial de VitóriaCORREIO CAPIXABAAsociação dos Empresários de Serra -ESPortalflexCESCONETO ATACADOFaculdade Estácio de Sá

Assine nossa Newsletter Cadastre-se para receber informativos




E-mail:contato@mazoliniconsultoria.com.br - Tel.:(27) 3328.5969 - Cel.: (27) 9991.5729

©2019 Agência Kairós